26 de maio de 2011

Uma rosa, talvez.

Nó na garganta. Coração querendo mergulhar no próprio sangue para se esconder da tempestade em que se meteu.